Trezena de Santo Antônio é celebrada em São João del-Rei

Tradição e cultura local se destacam em festividade para o santo casamenteiro

 

Nesta quarta (13), a Capela de Santo Antônio encerrou o período da Trezena de Santo Antônio de Pádua com uma missa em celebração ao padroeiro. A comemoração do dia maior foi presidida pelo bispo emérito da cidade, Dom Waldemar. Com carinho, ele falou do padroeiro que dá nome à capela, afirmando que “Santo Antônio ajudava muito as crianças e os jovens. Quando as noivas pediam uma benção especial para o matrimônio, ele a concedia”.

A  realização da Trezena é uma tradição católica vinda de Portugal, que se assemelha às novenas. Porém, ela dura treze dias e termina em 13 de junho, o dia do festejo de Santo Antônio.  

A cerimônia eucarística contou com a presença da orquestra Lira Sanjoanense, que enriqueceu ainda mais o cenário da festividade religiosa. De acordo com o músico Leandro Antônio de Oliveira Faria, o grupo participa da celebração ao santo há mais de 40 anos. “É uma tradição. Só no tempo em que faço parte da orquestra, já se foram 17 anos participando da Trezena”, diz. Leandro ainda ressalta a importância da herança musical, nas festas religiosas, para a cultura local: “o instrumento não trabalha sozinho, a presença humana é que mantém as tradições”.

Segundo Dom Waldemar, Santo Antônio é um dos santos católicos mais queridos no mundo todo. Sua popularidade entre os fiéis levou diversos devotos a prestigiarem a missa em sua homenagem, como foi o caso do professor de música Edmundo Bandinelli. Para o professor, a manutenção das festas religiosas tradicionais pode ser vista como uma maneira de evoluir o espírito. “Hoje em dia muitas dessas heranças se perderam, mas São João del-Rei ainda mantém forte vínculo com a espiritualidade”, complementou.

Além de ser constantemente associado à prática de caridade, o santo casamenteiro  foi missionário e pregava onde fosse necessário. Por isso, Dom Waldemar reforça a mensagem presente nos ensinamentos de Santo Antônio: “Ele nasceu em família rica, mas sempre se preocupou muito com os mais humildes. Muita gente não sabe simplesmente agradecer a Deus pelo que possui, ajudando os menos favorecidos” declarou.

 

Texto/VAN: Isabela Souza e Kamila Amaral
Foto/VAN: Divulgação

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *