Cidade dos Sinos faz história com a passagem da Tocha Olímpica

Praça da Estação foi o último ponto de passagem da Tocha, que seguiu de Maria Fumaça para Tiradentes. FOTO/VAN: Emanuel Reis

Símbolo dos Jogos Olímpicos, a Tocha percorreu as ruas do centro histórico e foi recepcionada por centenas de pessoas

São João del-Rei esteve presente no tour de revezamento da Tocha. Agora, ela segue para o Espírito Santo. FOTO: Rio2016/Divulgação
São João del-Rei esteve presente no tour de revezamento da Tocha. Agora, ela segue para o Espírito Santo. FOTO: Rio2016/Divulgação

Nesse domingo, 15, o Fogo Olímpico percorreu as ruas e praças da Cidade dos Sinos. Atrações culturais, atividades esportivas e de lazer, ações de prevenção e a expectativa do público são-joanense durante a manhã marcaram o momento de grande importância para a cidade.

A Tocha Olímpica foi revezada por moradores e personalidades locais. Ao fim do percurso, viajou para Tiradentes de Maria Fumaça, para prosseguir seu caminho por outras cidades do Brasil.

A seguir, você acompanha como foi a recepção em São João del-Rei.

 

Praça Raul Soares

A Praça Raul Soares, primeiro ponto de atividade cultural no percurso da Tocha Olímpica, estava repleta de crianças, que aproveitaram a manhã participando de um minicircuito esportivo, promovido pela Associação Atlética Acadêmica da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).  Todos ali presentes estavam ansiosos para prestigiarem a visita da chama.

A presença da Associação foi muito importante para entreter as crianças de várias escolas da cidade que aguardavam a passagem da Tocha. Conforme depoimento do coordenador geral de esportes da Atlética, Michel Fernandes, o grupo busca estreitar os laços com a Universidade, garantindo, dessa forma, futuras parcerias.

Para a diretora da Escola Pingo de Gente, Vanessa Martins, foi muito relevante o empenho para que as crianças presenciassem esse momento, uma vez que “a passagem da Tocha simboliza paz entre as nações,” afirma. Como Vanessa salientou, foi importante mostrar para elas que esse foi um momento histórico e não político.

A estudante da Escola Ministro Gabriel Passos, Kívia Caroline, de 17 anos,  sentiu-se gratificada por presenciar esse fato. “Meus filhos não vão ter a oportunidade de ver a Tocha de cara e pertinho, infelizmente”, reflete. Para Kívia, o evento abre oportunidades para que o município seja mais conhecido como cidade histórica e culturalmente rica.

Igreja Nossa Senhora do Carmo

O aluno da UFSJ Luiz Felipe recepcionou a Tocha na Igreja do Carmo. FOTO/VAN: Amanda Rodrigues
O aluno da UFSJ Luiz Felipe recepcionou a Tocha na Igreja do Carmo. FOTO/VAN: Amanda Rodrigues

O Largo da Igreja do Carmo foi o segundo ponto de revezamento da Tocha Olímpica na cidade. O local atraiu centenas de pessoas e foi palco de apresentações culturais do grupo de viola caipira Pingo D’água, integrante do projeto de extensão Sons das Vertentes, e do show Reggae da Periferia, que animaram a população minutos antes da chegada do fogo olímpico.

Dentre as entidades presentes, estava o Clube de Desbravadores Del-Rei, que prestigiou a passagem da Tocha e participou voluntariamente na organização. O diretor do grupo, Peterson dos Campos, conta que a participação nesse momento único, se enquadra em valores que os Desbravadores prezam: excelência, dedicação, disciplina e respeito. “No Clube de Desbravadores, nós trabalhamos com meninos de 10 a 15, com os quais buscamos desenvolver alguns valores. Estar aqui também significa estar (principalmente como voluntários) prestando um serviço para a comunidade na qual estamos inseridos”, explica.

De acordo com Campos, a essência dos Jogos Olímpicos e do ritual de passagem da Tocha são representativos e podem dialogar com as ações desenvolvidas pelo grupo. “Se você pensar pelo lado do atleta, são quatros anos de preparação, de dedicação intensa e cuidados com a saúde, valor que nós passamos para os meninos”, lembra o diretor. “O atleta precisa ter disciplina, respeito pelo outro atleta e seguir as regras que a competição estabelece, valores que também passamos” avalia.

Além dos Desbravadores, estiveram presentes, prestigiando a passagem do Fogo, os alunos intercambistas do programa Flagship, da UFSJ, e crianças de escolas dos primeiros anos do ciclo infantil, que carregavam bandeiras do país.

Igreja Nossa Senhora do Rosário

Em frente à Igreja do Rosário, uma concentração do terreiro coloriu a rua para a passagem da Tocha Olímpica. A festa, que contava com os batuques do maracatu, seguiu para a Praça da Biquinha, onde foi servido um almoço.

Lutero, o Zé Mineiro da rádio Emboabas, tocava um tambor e entoava cantos na apresentação. “A Tocha Olímpica é de grande importância para São João del-Rei, para a nossa região, porque traz uma maior visibilidade e divulga internacionalmente as nossas associações”, relata. O radialista faz parte da Associação dos Agentes Culturais das Vertentes Congadas e Folias e Associação de Religiões de Matriz Africana.

Entre o público diverso, estiveram presentes as crianças das escolas da cidade, que se dividiram nos pontos de passagem da pira. No Rosário, estava os estudantes da Escola João dos Santos. Dona Aparecida, que levou os netos, estava ansiosa para presenciar o momento histórico da cidade. “É a primeira vez que vejo um evento desse porte”, disse.

O Pai de Santo Rafael ressaltou também a importância do evento para comemorar o Dia da Abolição da Escravatura e também o propósito das suas manifestações religiosas. “Nós procuramos fundamento e fé”, esclarece.

Conservatório Estadual de Música

Seguindo o percurso de manifestações culturais, o entorno do Conservatório Estadual de Música Padre José Maria Xavier reuniu quatro corais, que apresentaram  músicas que homenageiam São João del-Rei e Minas Gerais.

A primeira música, “Terra encantada, amo você”, da compositora São-joanense Viviane Rodrigues de Melo, foi composta em 2013, em referência à celebração da elevação de São João del-Rei a vila, fato que completava, então, 300 anos. “Eu compus a música com esse tema, uma ode de amor a São João del-Rei”, conta a compositora.

Os corais participantes da apresentação estão sob a regência do músico Carlos Eduardo de Assis, que ressaltou a visibilidade promovida pelo evento. “É um momento de visibilidade para cidade e, consequentemente, para os trabalhos artísticos que são desenvolvidos aqui”, revelou.

Largo de São Francisco

Largo de São Francisco recebe revezamento da Chama Olímpica. FOTO/VAN: Juliana Galhardo
Largo de São Francisco recebe revezamento da Chama Olímpica. FOTO/VAN: Juliana Galhardo

No Largo de São Francisco, houve uma campanha contra a Dengue e a Gripe H1NI, encabeçada pelo projeto Correlação do Meio Ambiente e Saúde no Campo da Vertentes, do curso de medicina da Universidade Federal de São João del-Rei; houve a participação do grupo Circo Para Todos, pertencente ao “Xamã”, projeto de extensão do curso de teatro da UFSJ, que chamou a atenção do público com pernas de pau, malabares e acrobacias; a bicentenária Orquestra Ribeiro Bastos se apresentou e, na entrada da Igreja de São Francisco de Assis, foi confeccionado um tapete de rua com o logotipo das Olimpíadas 2016 e adornos característicos de São João del-Rei.

Júlio César Campagnolo, integrante do Circo Para Todos, deu a seguinte declaração: “como participante pelo projeto, me senti muito feliz por poder mostrar um pouco do que fazemos para as pessoas presentes, desde malabarismo e acrobacias a brincadeiras com o público”. Crianças e adultos ficaram encantados, conversaram, tentaram fazer malabarismo e tiraram fotos. Já Célio, que toca contrabaixo na Orquestra Ribeiro Bastos, diz que é gratificante se apresentar em um evento desse porte, afinal, essa ocasião pode nunca se repetir para muitos ali presentes.

Estação Ferroviária

Praça da Estação foi o último ponto de passagem da Tocha, que seguiu de Maria Fumaça para Tiradentes. FOTO/VAN: Emanuel Reis
Praça da Estação foi o último ponto de passagem da Tocha, que seguiu de Maria Fumaça para Tiradentes. FOTO/VAN: Emanuel Reis

A Praça da Estação Ferroviária foi o último ponto de revezamento do Fogo Olímpico. Lá estavam presentes o prefeito Helvécio Reis, os deputados Cristiano Silveira e Reginaldo Lopes e demais autoridades convidadas. Em seu discurso, Helvécio enfatizou o passado da cidade, correlacionando-o com a manhã de domingo. “São João del-Rei é ouro! Saudamos a Tocha Olímpica, chama inspiradora do maior evento esportivo do mundo… nossa história, de mais de 300 anos, começou com o ouro que ainda está cravado nestas montanhas, explorado nas galerias profundas de nossas betas, nas águas silenciosas de nossos córregos,(…) nas artes centenárias de nossas igrejas”, reflete.

A Banda Municipal Santa Cecília executou o Hino Nacional e o Hino de São João del-Rei. Além disso, em parceria com os Correios, houve o lançamento do selo comemorativo da cidade em homenagem à data. O grupo Lendas São-joanenses encerrou as comemorações.

 

PROTESTOS

Durante todo o momento em que a Chama Olímpica esteve presente na cidade, houve protestos contra o atual governo brasileiro e as medidas que vem tomando. No Largo de São Francisco, pessoas que estavam se apresentando levaram cartazes pedindo o retorno do Ministério da Cultura, incorporado ao Ministério da Educação. Já na Praça da Estação, houve protestos contra o governo Temer, que assumiu a presidência depois do afastamento de Dilma Rousseff, que passa pelo processo de impeachment.

 

TEXTO/VAN: Amanda Rodrigues, Clara Rita, Emanuel Reis, Juliana Galhardo, Lucas Almeida e Mariana Ribeiro

COLABORAÇÃO: Anna Virginia, Ana Carolina Rodrigues e Isadora Rufo.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*