Atos contra Bolsonaro repercutem no Campo das Vertentes

No último sábado, dia 02, muitas pessoas foram às ruas em manifestação contra o atual governo. São João del-Rei também foi palco de um desses atos, tal como mais de 300 cidades do país. Na cidade, o evento foi organizado por movimentos sociais, sindicatos e partidos de esquerda que compõem a Frente Fora Bolsonaro. De acordo com página oficial do Diretório Central Estudantil (DCE) da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), no Instagram, a manifestação cobrava o impeachment do Presidente Jair Bolsonaro (sem partido), denunciava o genocídio da população e lutava pelos direitos dos trabalhadores e estudantes.

Questionada sobre a repercussão do ato, no campo das Vertentes, a Frente organizadora do acontecimento se diz satisfeita com a adesão da população e com a recepção da imprensa: “A repercussão na região tem sido muito boa, tanto na imprensa, quanto na adesão da população. Os atos estão sempre cheios e com bastante apoio da população ao redor”. Beatriz Larizzatti, componente do coletivo Mineiro Popular Anarquista (COMPA) e participante do ato, compartilha da mesma opinião e afirma que: “A recepção da população foi boa, tanto nas janelas quando estamos nas ruas, como com as pautas que colocamos. Conseguimos executar um bom plano de comunicação que levou o ato do luto à luta passar no MGTV meses atrás e, com isso, chegamos a mais pessoas da região”.

Quanto à organização do evento, os organizadores explicaram que a Frente se divide em grupos e, então, são debatidas estratégias para a divulgação do evento e para garantir a segurança de toda a população. De acordo com os entrevistados: “A Frente se reúne constantemente, onde é debatida a conjuntura política e os posicionamentos das entidades e depois são pensadas as estratégias das ações e das manifestações”. Além das questões estruturais, cuidados relacionados à prevenção do Covid-19 também são desenvolvidos: “Em todos os atos têm sido distribuídas máscaras PFF2, são pensadas estratégias de distanciamento entre os manifestantes, é feita a distribuição de álcool em gel, além de serem elaboradas recomendações de saúde para os manifestantes antes, durante e após o ato”.

Outro movimento que se faz presente nessa luta é o Movimento Estudantil (ME), que, representado pelo DCE, também marcou presença nas ruas no dia 02. Beatriz, também graduanda do curso de Artes Aplicadas da UFSJ, acredita que participar de atos como esse é importante para que os estudantes não fiquem “descolados da realidade”. Ela afirma que “a participação do ME é algo muito natural, é participação na luta contra retrocessos que atingem nossas avós, mães, nós mesmas e, ainda, possíveis filhas e netas. A luta contra o fascismo é e precisa ser intrínseca ao movimento estudantil combativo”.

Já existe uma data estabelecida para o próximo ato nacional contra o governo Bolsonaro. Ele deve acontecer no dia 15 de novembro e a Frente Fora Bolsonaro de São João del-Rei já confirmou a participação da cidade: “A conjuntura tem mostrado que os atos não podem parar até Bolsonaro cair, visto que a maior intenção do seu governo é acabar com os direitos da população e seu bem estar”. Alguns eventos locais relacionados ao tema também estão sendo pensados e devem ser divulgados futuramente.

Texto: Júlia Braga

Revisão: Samantha Souza

Imagem: rawpixel.com de Freepik.com

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.