Regulamentação do parto humanizado é discutida em SJDR

Mães se reúnem para discutir problemas enfrentados durante a gestação em São João del-Rei. FOTO/VAN: Hugo Pacheco

Depois de aprovados pelas comissões, os Projetos de lei referentes ao bem estar das mulheres durante o trabalho de parto, devem passar por votações na Câmara Municipal.

Mães se reúnem para discutir problemas enfrentados durante a gestação em São João del-Rei. FOTO/VAN: Hugo Pacheco
Mães se reúnem para discutir problemas enfrentados durante a gestação em São João del-Rei. FOTO/VAN: Hugo Pacheco

O ambiente hospitalar ao longo do tempo abriu espaço para as tecnologias que prometiam tornar seus procedimentos mais seguros. Mas, se por um lado, houve um avanço que contou com melhorias em diversos indicadores, por outro, motivou a consolidação de uma ideia que considera a gravidez e todos os seus elementos como algo perigoso, expondo assim, a mulher e a criança, à um número indiscriminado de intervenções.

Dois projetos de lei referentes ao bem estar da gestante durante o trabalho de parto estão sendo formulados pelas vereadoras Vera Lúcia Alfredo (PT) e Livia Guimarães (PT), em São João del-Rei. Um trata sobre a regulamentação da presença das doulas e o outro sobre a humanização do parto.

A vereadora Vera Lúcia afirma que a presença das doulas, isto é, o acompanhamento de uma outra mulher que presta auxílio físico e psicológico para a gestante é imprescindível, no que diz respeito à tranquilidade do procedimento. “Os benefícios são tão grandes que se estendem ao Sistema de Saúde que, consequentemente, tem uma redução nos custos das taxas de intervenção médica e no período de internação da mulher e da criança”.

O dossiê feito pela Rede Parto do Princípio aponta o Brasil como líder mundial no ranking de cesarianas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o número de nascimentos que passam por procedimento operatório não ultrapasse 15% do valor total de nascimentos.

Durante o processo de formulação do seu projeto, que visa oferecer à mulher condições para um parto humanizado, a vereadora Livia Guimarães afirma que ficou assustada com o resultado. “Ao solicitar os dados referentes aos partos ocorridos em 2014 pelo Sistema Único de Saúde (SUS), fui surpreendida com um número próximo de 85% de cesáreas em São João del Rei. A partir daí, não tive dúvidas, encaminhei o projeto para ser avaliado pela comissão”, justifica.

As propostas devem ser analisadas pelas respectivas comissões e, posteriormente, levadas à votação na Câmara Municipal de São João del Rei.

cesarianas
ARTE: Laila Zin

Humanização dos partos

Um grupo de mães conhecido por ‘Maternagem Ativa’ tem se unido para problematizar as questões do seu universo. A arquiteta, Phamela Dadamo, 33 anos, contou que “desde o início da minha primeira gestação, explicitei o desejo pelo parto normal e, assim, imaginei que as coisas se encaminhariam para algo conforme a minha vontade. Mas não foi assim. Por ignorância, acabei sendo submetida à uma cesárea que, tratou de maneira fria e violenta, um momento único e especial na minha vida”.

O parceiro de Phamela, o artista visual e professor universitário, Ricardo Coelho, de 41 anos, afirma que “todo parto, deveria ser feito com o mínimo de interferências possíveis. Há uma singularidade entre as mulheres que, deveria ser respeitada”. Após uma vivência no exterior, o casal percebeu que para uma possível gravidez as coisas poderiam ser diferentes. Assim, ao se informarem, descobriram o Hospital Sofia Feldman, referência pelo Ministério da Saúde em partos humanizados. “Lá pude encarar o nascimento como um evento natural que não faz parte desse perverso universo hospitalar, a gestação não era mais um problema”, disse Phamela.

Texto/VAN: Juliana Paravizo
Foto: Hugo Pacheco

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*